Conselho de Pastoral Paroquial

"Conselho Orante baseado na união e soma de esforços."

A Igreja Católica, desde o Concílio Vaticano II, assumiu por definição ser o Povo de Deus. E esta definição faz pensar que a Igreja é uma comunhão, onde não existe ninguém que seja mais importante ou superior aos demais. Somos um povo, onde cada um pode desempenhar uma função determinada, mas todos somos iguais e responsáveis pelo bem comum.

A esta nova imagem de Igreja, tão valorizada pelo Concílio, apresenta uma realidade que ficou esquecida por anos na história da Igreja: somos Igreja Comunidade, Igreja Família de Deus, onde todos participam, onde todos os fiéis são co-responsáveis pela vida cristã e pela missão de evangelizar, já que todos os batizados recebem carismas ou dons, para serem postos a serviço da comunidade.

O Conselho Paroquial de Pastoral – CPP nasce justamente desta imagem, é a expressão organizacional da Igreja, que pretende ser mais participativa e comunitária. É formado por um grupo de pessoas, em comunhão com o Pároco, que representam as comunidades, os ministérios, as pastorais e movimentos existentes na paróquia, e que têm como missão o serviço da animação pastoral da paróquia.

O CPP é o organismo responsável para que a paróquia se organize, faça planejamento e execute os trabalhos pastorais necessários, para atingir seus objetivos específicos e gerais.

Tem a missão de garantir a vida de comunhão na paróquia. Por isso, é responsável pela organização e articulação das pastorais, e pela espiritualidade e formação dos fiéis. Ao CPP cabe refletir, planejar, decidir, animar e revisar toda a ação pastoral da paróquia. Ele deve preparar, organizar e realizar as Assembléias Paroquiais de Pastoral, que são a instância mais importante da caminhada pastoral. Ele encaminha a realização do Planejamento Paroquial de Pastoral. A ele cabe conhecer a realidade e seus desafios, julgá-la com os olhos da realidade e da Palavra de Deus, e estimular ações transformadoras que a tornem sinal do Reino de Deus.

Formação do CPP.

O presidente do CPP é o pároco ou quem, por nomeação do Bispo, lhe faz as vezes. Os outros membros devem ser escolhidos de acordo com as normas diocesanas. Sugere-se que escolha lideranças que se destaquem pelo interesse e serviço à comunidade.

O número de membros do CPP depende da população paroquial sendo que é consenso que não deve ultrapassar o número de vinte. Aonde não há normas a respeito, o Pároco indica cinco e os outros quinze são apresentados pela comunidade. A representatividade é positiva quando o CPP não deixa ninguém de fora de sua atenção e ação, passando a ser negativa quando vira "representativismo", isto é, quando se tem em vista unicamente os próprios interesses em detrimento da comunidade como um todo.

As dioceses do Brasil, salvo raras exceções, nomeiam os membros do CPP para uma gestão de dois anos, renováveis por mais dois. Contudo, cabe a cada diocese estabelecer o tempo de serviço do CPP.

O CPP deve, no mínimo, ter a seguinte organização: Presidente (Pároco), Coordenador, Vice-Coordenador, Secretário e Vice-Secretário. O Presidente tem por função aprovar ou não as decisões dos membros. O coordenador dirige a reunião, podenso ser substituído pelo Vice-Coordenador, quando necessário. O Secretário elabora a ata dos encontros, podendo ser substituído pelo Vice-Secretário quando necessário.

As finalidades essenciais.

. Acompanhar a ação pastoral de toda a paróquia com os objetivos de animar, avivar, avaliar,
  impulsionar, dinamizar, expandir e fortalecer o anúncio do Evangelho;
. Zelar pela unidade e comunhão da ação evangelizadora, sintonizando-a permanentemente
  com as diretrizes pastorais;
. Assumir o planejamento, a execução e a avaliação da Assembleia Paroquial;
. Determinar, depois de ter ouvido toda a paróquia, a prioridade pastoral da paróquia.

O CPP é de fato necessário.

. Para que o Pároco não tenha que tomar todas as decisões pastorais sozinho;
. Para que a comunidade diga ao Pároco quais são as suas reais necessidades;
. Para que todas as áreas e setores pastorais sejam acompanhadas;
. Para que se descubram e preencham os vazios pastorais;
. Para que não se opte por uma (ou mais) pastoral em detrimento das demais;
. Para que cada membro da comunidade tenha voz em relação às atividades pastorais;
. Para que a paróquia não caminhe à margem da Diocese;
. Para que as diretrizes da CNBB sejam conhecidos e, na medida do possível, aplicadas;
. Para que se conheça e se faça o devido discernimento quanto a novas pastorais,
  movimentos, associações e grupos que queriam entrar na paróquia;
. Para que a agenda pastoral prime pela integração e não pelo conflito de datas
  durante o ano;
. Para que a comunidade participe ativamente da caminhada paroquial.

O CPP é um conselho comunitário, de fé. É o encontro de batizados que rezam e convivem, que são iluminados pelo mesmo Espírito, são conduzidos pelo mesmo Senhor e buscam o mesmo Pai. É impensável que o CPP se reúna e não reze no início e no término das reuniões, e que não seja composto por homens e mulheres de oração.

Sendo missionária por natureza, a Igreja o deve ser em sua totalidade, inclusive no CPP. Mesmo que tenha como primeiro serviço a paróquia, o Conselho deve ter "coração e mente" abertos a toda a Igreja, participando, dentro de suas possibilidades, da missão além fronteiras. Sem essa abertura o CPP pode cultivar o "egoísmo pastoral", sufocando o seu ser Igreja.

Troca de experiências, Partilha, Ajuda mútua, Fortalecimento.



COORDENAÇÃO

- Flávio e Fabiana