Dízimo

Abrindo meu coração a Deus, à Igreja e ao próximo, partilhando o que tenho com alegria e com fé.

Dízimo, Ministério da partilha, profusão de bens materiais e espirituais que recebemos de Deus, cuja contribuição está a serviço do amor e da comunidade.

A Pastoral do Dízimo tem por objetivo levar aos fiéis o verdadeiro sentido de participação na sociedade cristã que é a Igreja, da qual cada um de nós é parte integrante.

O ser humano acredita na existência de alguma divindade, algo superior a ele. O homem religioso se desfaz de algum bem seu, em favor da divindade, seja através de sacrifícios, votos ou promessas.

O dízimo faz parte dessas manifestações de fé, que quer expressar sempre o respeito, agradecimento, súplica, louvor, gratidão e isso é demonstrado em muitas passagens bíblicas, como podemos constatar:

No velho Testamento:

Em Gn (Gênese) 14 – encontramos Abraão entregando a “décima parte” de seus bens ao sacerdote do Deus Altíssimo, Melquisedec, reconhecendo que Deus tinha parte naquilo que possuía.

Em Lv (Levítico) 27, 30-33 encontramos o dízimo como propriedade do Senhor, porque Ele é o Senhor da terra e dos seus produtos.

Em Dt (Deuteronômio) notamos que o dízimo também servia para ajudar os necessitados, na pessoa do estrangeiro, do órfão e da viúva.


No novo Testamento:

É muito mais clara a idéia de que a devolução do dízimo e também das ofertas objetivam viabilizar a evangelização:

Em Lc (Lucas) 10,7 Jesus diz, ao enviar os discípulos em atividade apostólica, que eles têm o direito de serem sustentados por aqueles a quem anunciam o Reino.

Para São Paulo apóstolo, os que se beneficiam da comunhão dos bens espirituais devem retribuir com bens materiais Rm (Romanos) 15,26.


O dízimo objetiva atender a três dimensões na Igreja:

Dimensão religiosa: todo investimento que está voltado para a sustentação do templo, do culto, do sacerdote;
Dimensão Social: todo investimento voltado para a promoção humana, como ajuda aos pobres, doentes e mais necessitados;
Dimensão Missionária: todo investimento na própria missão da igreja, isto é, evangelização.

Concluímos que a devolução do dízimo é o testemunho vivo, dado ao mundo, de que os cristãos reconhecem o sentido bíblico, teológico, social e comunitário a ele confiados.

É necessário que saibamos porque contribuímos com o dízimo. Quanto mais tivermos consciência do significado e do valorda nossa contribuição, tanto mais contribuiremos com alegria, generosidade e fé. Abriremos o coração para Deuse para a comunidade, assumindo o nosso batismoque nos vacaciona para a santidade e nos faz evangelizadores. Ser dizimista é ser discípulo missionário !

COORDENAÇÃO

- Virgilio, Theresa